terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

Os criativos

Realmente, há gente muito criativa... Mas refiro-me a realmente grandes mentes, com um poder criativo impressionante (e olhem que eu sou criativa, e mesmo assim estou impressionada)...

É claro que estou a falar de algumas coisas em concreto, mas não vou dizer o que são para já (principalmente para não ferir susceptibilidades).

Imagintem que eu arranjo uma teoria qualquer, com uma mega justificação, aparentemente coerente (coerente dentro do meu próprio raciocínio) e a espalho por aí. A maioria das pessoas (e digo, a esmagadora maioria) que vai ler a minha teoria não a vai questionar, desde que ela seja coerente. Isto acontece porque somos pessoas tendenciosas e vivemos numa sociedade tendenciosa. Habituámo-nos a que tudo o que é aparentemente coerente seja verdade. Mas vou contar-vos um segredo: nem tudo o que se aparenta coerente é verdadeiro.

E esta é uma questão que me incomoda neste momento. Será que, conscientemente, as pessoas de hoje querem conhecer a verdade ou preferem a coerência aparente que é, frequentemente, mais aprazível?

Para o meu exemplo vou usar a minha amiga Sara, que acho que não se vai importar.
Imaginemos que coloco no blog um comentário com um título sensacionalista "Carro, a polémica"
e que depois desenvolvo um texto onde exponho a minha opinião: que uma amiga minha comprou um carro que é caríssimo para a gama a que pertence e que foi um desperdício de dinheiro e um mau investimento, porque ela não tem um contrato de trabalho e já tinha carro, deduzindo então que não sabe gerir os seus recursos financeiros correctamente, e que ainda por cima se queixa que ganha pouco. Depois, imaginemos, eu continuava e dizia que este era um mal geral do nosso país, que o português não sabe gerir os seus recursos e que não quer trabalhar, só quer é roubar tudo e todos, ganhar muito e não fazer nada, e que a minha amiga era um exemplo disso e que ela estava errada na forma como procedeu. E claro, tudo isto sem dizer quem era a amiga e, mais claro ainda, sem lhe dar hipótese de dizer o que quer que fosse antes de colocar o post.

Querem saber que tipo de comentários é que ia receber o meu post? hehehehe

Espero que seja óbvio também que foi só um exemplo: não acho que o carro tenha sido nada caro, acho que ela fez muito bem em comprar um carro novo, e mesmo que não achasse jamais colocaria isto no meu blog (ou qualquer outra situação do foro pessoal).

O que quero dizer é que, infelizmente, tenho visto demasiados títulos sensacionalistas e TENDENCIOSÍSSIMOS!!! Bem como posts tendenciosos colocados diante de pessoas que não têm como julgar (analizar) o que lêem. Ora, o perigo disto é que nem todas as pessoas que postam o fazem sem malícia, sem más intenções (que é quase a mesma coisa), sem segundas intenções, sem tentar angariar apoiantes de uma determinada teoria, sem levantar propositadamente contendas e discussões inúteis e que não levam a lado nenhum. Normalmente estas pessoas são espertas e, não raras vezes, inteligentes também. Mas têm um problema: há alguém que sabe mais. E está dentro de mim.

7 comentários:

Sarita disse...

Mais nada Carolina!!!
Tou contigo... e até sei bem o que queres dizer =)
Beijinhos

Dinocas disse...

Não sei se o que vou aqui dizer se aplica ao teu caso (ou sequer se tem a ver!) mas é o que me veio ao coração e por isso aí vai:
Por mais coerente que possa parecer algo (ou alguém!), se por dentro (ou por detrás) existir "bedun" mais cedo ou mais tarde há-de tresandar o mau cheiro...
Posso parecer inocente mas tenho razões para cada vez mais acreditar que a verdade é sempre quem dita a última palavra (as vezes demora - e até bastante - mas não falha!)...
Beijinhos

_SunFlower_ disse...

heheheheheh exacto

VM disse...

Cara Princesa _sunflower_ (sem ser tendencioso):

Compreendo perfeitamente o que queres dizer, e é com essa base do sensacionalismo que hoje em dia se espalha noticias por essas tv’s fora… e cada qual lê/vê a noticia de muitas maneiras, e hoje em dia existe muita informação… cabe à pessoa seleccionar a que mais interessa… agora eu te pergunto… o que é uma verdade para ti tem necessariamente de o ser para mim?

_SunFlower_ disse...

ora VM, não há verdades relativas. Há é diferentes pontos de vista... Esta ideia das muitas verdades foi uma forma de a sociedade pós-moderna em que vivemos desculpabilizar uma série de coisas...

Eu creio firmemente que algumas verdades são absolutas. E quando não pensamos assim, torna-se complicado gerirmos a nossa vida convenientemente: é o vale tudo.

=)

Além disso, o facto de eu não acreditar numa coisa, não faz dela uma mentira, certo?

Olha para os direitos humanos, por exemplo. Ainda tens países que vêem a mulher como um ser inferior, e durante anos a nossa sociedade dita evoluída (vou ali já venho...tanta evolução... lol) defendia que a mulher não tinha capacidade para pensar por si mesma, por exemplo.

Mas elas não deixavam de pensar só pq os maridos não queriam.

desvulpoa lá o exemplo forçado, mas acabei de acordar HAHAHA

VM disse...

Ehehehhe... ok... entendi o teu "ponto de vista".

:P

_SunFlower_ disse...

hehehe